logo joao pessoa bairros colorida-c-branco

Banne Busca Preto

Politica

Galeria-de-Fotos

esportes

Entretenimentos

em-cartaz

Eventos

Oportunidades

facebook

tecnologia

Receitas

Ministro do STF nega pedido do Sindtaxi/PB para proibir Uber de atuar na Capital

16885936280003622710000O ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal, negou liminar ao Sindicato dos Condutores Autônomos de Veículos Rodoviários, Taxistas, Caminhoneiros e Condutores Auxiliares da Paraíba em reclamação contra decisão da Justiça estadual relativa ao funcionamento do aplicativo Uber. O ministro não viu presentes a plausibilidade jurídica das alegações e o perigo da demora, requisitos necessários ao atendimento do pedido do Sindtaxi/PB.

O Sindtaxi ajuizou na Justiça estadual ação civil pública visando impedir o funcionamento do Uber em João Pessoa, sob pena de multa. O pedido de liminar na ação foi negado em primeira instância, entendimento mantido por desembargador do Tribunal de Justiça da Paraíba. O sindicato sustenta no STF que, para tomar tal decisão, o desembargador afastou a aplicação da Lei Municipal 13.105/2015, que veda o transporte remunerado individual de passageiros sem a autorização para o serviço de táxi.

Com base nesse entendimento, a categoria alega que houve violação à Súmula Vinculante 10 do STF, relativa à cláusula constitucional de reserva de plenário. Segundo o verbete, uma norma não pode ser considerada inconstitucional ou ter aplicação afastada por órgão fracionário de tribunal – apenas por seu pleno ou órgão especial.

Para Lewandowski, não é possível verificar, em análise preliminar do caso, a alegada violação à SV 10, isso porque a decisão do desembargador não teria afastado totalmente a incidência da lei local. “O julgador, com base na repartição constitucional de competências, entendeu aplicável ao caso em espécie a legislação federal de regência”, afirmou o ministro. No caso, o desembargador local fez alusão ao transporte privado de passageiros como previsto na Lei Federal 12.587/2012.

Para o ministro Ricardo Lewandowski, também não ficou demonstrado o risco de dano irreparável apto a justificar a suspensão da decisão questionada.

FONTE: Portal Correio